Esta é Juíza da Ingaí …novilha Murrah da nova geração, com 34 meses.  É filha de Limeira da Ingaí -22,7 litros no pico e 6.401 litros na 6a cria numa longa lactação (520 dias).  Em janeiro de 2019, com cerca de 24 meses, entre 340-370 kg, provavelmente já púbere, Juíza recebeu um protocolo de indução de ciclicidade, tendo sido coberta pelo touro  Escaleno em fevereiro.

Em maio/2019, com 3 meses de prenhez, Juíza foi aspirada e seus oócitos foram fertilizados pelo sêmen do touro Curu da Laguna,  produzindo três embriões pela técnica de DT (direct transfer), parte de uma tese de mestrado da Dra Damiana Chello, orientada do Prof. Pietro Baruselli da USP. Na mesma data, outras doadoras, entre elas a Sincera também foi aspirada.

Visando minimizar a marcada estacionalidade reprodutiva que se observa principalmente no centro-sul do país, inciamos,  um programa de desestacionalização, retirando o touro do lote e postergando a gestação e, em algumas fêmeas que se encontravam por razões diversas, “secas” e “vazias”, como a Sincera, búfala então com 6 anos e 3 crias anteriores, submetendo-as a um tratamento para indução de lactação e, assim em 11/06/19, iniciaram a produção de leite sem ter dado cria, produzindo cerca de 60-70% de sua produção das lactações anteriores.

Em 11/12/19, aos 35 meses, Juíza, que fora coberta por monta natural após receber protocolo de indução de ovulação em fevereiro, e que em maio teve os oócitos aspirados para produção de embriões DT, teve o parto de sua primeira cria, uma fêmea chamada Beleza .

Alguns dias depois, em 16/12/19, após serem submetidas a um protocolo de sincronização, 24 fêmeas receptoras que desenvolveram corpo lúteo de dimensão adequada (de um lote de 30) e receberam os embriões produzidos em maio pela técnica de DT, entre eles os produzidos pela Juíza e os da Sincera.

A Sincera, que foi uma das doadoras de oócitos que resultaram na produção de embriões por fertilização in vitro, foi ainda uma das fêmeas que vinham produzindo leite por protocolo de indução de lactação e, ainda, foi uma das receptoras tendo recebido o embrião de outra fêmea.

Em 17/01/2020, 31 dias após a TE, foi efetuado o diagnóstico de gestação que constatou que um dos embriões originários da Juíza resultou na prenhez de uma receptora e, curiosamente, a Sincera também se apresentou prenha de um embrião da doadora Bolivia e, o embrião que produziu, gerou prenhez em outra receptora, a Joia… uma confusão genealógica considerável. No balanço geral, das 24 receptoras, foram geradas 9 prenhezes (37,5%) pela técnica DT, similar ao obtido pelas técnicas a fresco ou congelados.

Para que não pairem dúvidas, forma coletados pelos de todos estes animais e submetidos a uma avaliação de DNA (12 pares de locus – microsatelites) e, quando nascerem os produtos, será coletado material para identificação de paternidade….

Juíza, portanto, gerou no mesmo ano uma cria natural e uma prenhez em uma outra fêmea receptora. Sincera por sua vez, está produzindo leite sem ter parido, e gerou uma prenhez em outra receptora e está prenha de um embrião de outra doadora….

2 respostas a “Juíza da Ingaí e as biotecnologias”

  • Além do ganho produtivo e genético que as biotécnicas utilizadas trazem ao rebanho de bubalinos brasileiro, temos o desenvolvimento de conhecimento científico para a espécie. Parabéns a equipe de trabalho e ao sítio pelo sucesso no projeto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *